Memórias Póstumas de Brás Cubas


Já tinha lido o  livro  Dom Casmurro -, de  Machado de Assis ... e as Memórias Póstumas de Brás Cubas estava na lista dos livros por ler....chegou o momento.
Ainda não terminei, mas estou a gostar muito.
A narração é feita na primeira pessoa ( temos um narrador simultaneamente personagem) e postumamente, " Morri de uma pneumonia, mas se lhe disser que foi menos a pneumonia , do que uma ideia grandiosa e útil, a causa da minha morte, é possível que o leitor me não creia...."

O narrador vai interpelando o leitor o que vai  marcando um ritmo de leitura, trata-o de forma educada e com algum sentido de humor.

Há duas temporalidades: a psicológica e a cronológica.  A temporalidade psicológica é enriquecedora e  da-nos a oportunidade de entender como a elite brasileira pensava e se relacionava na sociedade.

É um livro sobre a existência ... sobre uma existência num determinado espaço e tempo. " Desde os cinco anos merecera eu a alcunha de "menino diabo"; e verdadeiramente não era outra coisa; fui dos mais malignos do meu tempo, arguto , indiscreto, traquinas e voluntarioso.  Por exemplo, um dia quebrei a cabeça de uma escrava, porque me negara uma colher do doce de coco que estava fazendo, e, n~~ao contente com o malefício, deitei um punhado de cinza ao tacho, e, não satisfeito da travessura, fui dizer à minha mãe que a escrava é que estragara o doce "por pirraça"; e eu tinha apenas seis anos" 
É um livro sobre a mortalidade
É um livro que retrata uma época.

Apesar de ainda não ter terminado estou a gostar e recomendo.





Comentários

Mensagens populares deste blogue